Universo Íntimo iniciou com um curso que criei em 2004, com a intenção de compartilhar conhecimentos acerca da sexualidade da mulher como, por exemplo, os exercícios pélvicos, a compreensão de seu ciclo menstrual, seu autoconhecimento corporal, seus orgasmos, suas dúvidas... Com o tempo esta vivência foi ganhando cada vez mais profundidade e, diante da notável necessidade das mulheres de falar destes assuntos, decidi abrir mais este espaço de informação. Universo Íntimo se expandiu e é hoje um movimento de conscientização e desenvolvimento da sexualidade sagrada, incluindo cursos, palestras e atendimentos para mulheres e para casais. Embora seja mais voltado às mulheres, vários assuntos abordados aqui são para ambos os sexos, já que trata de sexualidade. Assim, saliento aos visitantes homens que também são muito bem vindos.
Universo Íntimo é pelo amor, pela felicidade, pelo prazer de ser! Gratidão por sua visita!

domingo, 11 de janeiro de 2015

TANTRA - sexualidade, espiritualidade, experiências e percepções.

          

            Olá querid@s leitores!  

            Aqui estamos com este belo tema! Escrever sobre tantra não é lá muito fácil...

            Já havia tentado algumas vezes e acabei por desistir no caminho, pois para mim, tentar colocar tantra em palavras reduz quase completamente o seu significado, no meu entendimento. Percebi que para elucidar o que é tantra da forma como o compreendo precisaria passar por todas as instâncias da existência, o que renderia um volumoso livro, e para isso, prefiro indicar os bons livros já publicados.

            Contudo, tentarei trazer de forma sucinta alguns pontos mais relevantes pra ocasião deste texto e relatar algumas das minhas experiências neste caminho, na intenção de favorecer algumas reflexões para quem se interessa por este tema.

Shri Yantra

            Tantra é uma palavra do sânscrito que apresenta vários significados distintos, mas, ainda assim, correlacionados. Vem do radical tan (estirar, estender, expandir), com o sufixo tra, que indica instrumentalidade. Conforme o contexto pode ser traduzida como teia, tear, tecelagem,urdidura, lançadeira, continuidade, sucessão, sistema, ritual, doutrina, compêndio,  escritura, inicialmente escrituras contendo ensinamentos do tantra, mas também se refere a livros didáticos e manuais em geral.

            Dentre estes vários significados, podemos entender tantra como instrumento de expansão, e esta expansão refere-se à consciência, sabedoria, iluminação.
            Eu particularmente gosto de “teia” ou “tear”, pois traz para mim uma imagem do todo interconectado da existência, a grande malha cósmica que une, está e contém tudo e todos(as) simultaneamente.

            Segundo André Van Lysebeth, atualmente “para a maioria dos indianos, tantra designa qualquer doutrina ou culto não-védico (...)”; e segundo Georg Feuerstein, “historicamente, tantra denota um estilo particular ou gênero de ensinamentos espirituais que começou a ganhar espaço na Índia cerca de 1500 anos atrás – ensinamentos que afirmam a continuidade entre Espírito e matéria.”

            Bom, minha curiosidade neste tema me levou a algumas vivências e através destas cheguei na  compreensão do tantra como um caminho espiritual.

            Interessante é que as primeiras experiências que me sintonizaram com tantra vieram por outros caminhos que não alguma “escola tântrica”... foram as vivências de iniciação no Sagrado Feminino e na Sexualidade Sagrada que cheguei por meio da dança do ventre. Ali foi o início da minha compreensão consciente das correlações entre os ciclos da natureza e do corpo, de vida/morte/renascimento, das polaridades, do Uno... e também as primeiras percepções do fluxo de energia no meu corpo.

            Pouco tempo depois fiz uma aula experimental de Kundaliní Yoga (ensinamentos de YB) que foi totalmente de encontro ao que eu vinha vivenciando e conhecendo de corpo/energia naquele momento. Até então eu nada sabia das bases tântricas da Kundaliní Yoga. Segui praticando-a, segui no Sagrado Feminino, na dança e lendo sobre Tantra. Outras oportunidades vieram com o tempo, participei de palestras, cursos e grupos de tantra de diferentes linhas. Embora apresentando práticas e abordagens distintas, todas elas convergiram em um ponto: a vivência/experiência.

            É parte da nossa cultura atual uma supervalorização do intelecto e consequentemente daquilo que está escrito, publicado e racionalmente comprovado, o que naturalmente nos leva a LER sobre tantra, porém não está aí a grande fonte dos ensinamentos, é necessário vivenciar, sentir, experienciar, permitir-se acessar a fonte da sabedoria, o seu próprio saber diretamente conectado com a origem divina da sua existência, sua própria origem. A vivência se dá primeiramente através do corpo, da matéria, dos sentidos e então pode seguir para além destes.

            Você pode ler livros e mais livros, artigos e pesquisas avançadas sobre meditação, entender seu mecanismo de funcionamento, benefícios e tal, mas isso não te mostra o meditar de fato. Então você pratica, experiencia as etapas deste caminho, vivencia a meditação e saberá com clareza o que é isso. Talvez sua experiência seja tão completa em si mesma que não se façam necessárias teorias sobre ela.

            Olhando para o tantra como instrumento de expansão da consciência, conforme uma de suas traduções, as tradições tântricas possuem formas de despertar, mobilizar, direcionar e ascender a energia vital, transcender os opostos e acessar a unicidade divina. Os conhecimentos tântricos sobre chakras, nadís e kundaliní estão evidentes nesta parte da tradição.


            Uma vez que o estado divino de unicidade antecede as polaridades na existência, o caminho inverso, pra acessar esta dimensão da origem, implica na união harmônica destas polaridades, as energias feminina e masculina. Neste ponto reside a imensurável beleza da Sexualidade Sagrada e ao mesmo tempo toda a confusa interpretação ocidental da relação entre tantra e sexo...

            Entender tantra como uma via de contato sexual é um equívoco, reduzir tantra a um manual de sexualidade – frisando que sexualidade é diferente de contato sexual - é um pouco “menos pior”, mas ainda assim é muito raso, é como fazer um curso de dois meses sobre dor de garganta e sair deste dizendo que é médico, percebe?

            Também, quando se fala de polaridades feminina e masculina neste contexto, é mais amplo que mulher e homem, refere-se às energias presentes nas diversas formas da existência. Há todo um conjunto de ações, comportamentos e atitudes diárias, consigo mesm@, com @s demais, com os alimentos, com os animais, com as plantas, com a Mãe Terra, com os astros...a teia da existência, somos um todo interligado, e tudo isto faz parte deste caminho espiritual.


            É fato que existe o contato sexual em um determinado estágio da prática espiritual de algumas tradições tântricas no Oriente, contudo, tal ritual é essencialmente diferente daquilo que nós ocidentais entendemos como sexo culturalmente aqui. Para se olhar pro encontro sexual ritualístico do tantra no Oriente é preciso inicialmente desmanchar os pré-conceitos sobre sexo, comuns na cultura ocidental, reconectar com o significado sagrado do ato criador da vida e compreender todo o contexto, bem como o processo de tal tradição até se chegar neste estágio do contato sexual, que não é a qualquer tempo com qualquer pessoa, quem o representa passa por iniciações e preparo espiritual durante anos.  

            Imagine que você é visitante de uma comunidade, você acaba de chegar no local e presencia uma discussão seguida de uma briga, todos estão vendo e ninguém se importa, você indignad@ aparta a briga e imediatamente descobre que aquilo não passava de um ensaio de teatro, tod@s ali sabiam e por isso não se importavam.

            Olhar pra um ato de outra cultura, sem estar inserido em seu contexto, fragmenta o fato e o coloca sob um olhar que é baseado em outros conceitos, sujeitando-o inevitavelmente a interpretações errôneas. Algo importante de se lembrar ao ver um ritual de uma outra cultura.

            Mas não são todas as tradições que apresentam ritual de contato sexual, há diferentes formas de agir sobre a energia vital mantendo o mesmo propósito. Dentre as minhas experiências pude conhecer algumas abordagens distintas, perceber seus efeitos imediatos e tardios e decidir o caminho a seguir.

Tantra Yoga Branco

            Todo trabalho de ativação de energia feito em grupo se potencializa. Experimente entoar um mantra sozinh@ sentindo sua vibração, depois experimente fazê-lo em grupo e sentirá que é outra vibração. Isto se dá pela formação de um campo de energia gerado pela vibração conjunta d@s integrantes do grupo.

            No caso de um grupo tântrico, por exemplo, esta vibração do campo gerado influenciará a vibração pessoal de cada um(a) do grupo. As energias de maior densidade d@s integrantes do grupo, que necessitam ser modificadas em sua frequência pra entrarem em sintonia com uma vibração mais sutil, serão transmutadas em outro campo cuja vibração é mais elevada do que a deste campo gerado pelo grupo, para isso acontecer é imprescindível que o trabalho seja adequadamente guiado, quem guia deve estar em conexão direta com o campo mais sutil e será então o canal de transmutação destas energias do grupo. Se isto não ocorrer todas estas vibrações permanecerão neste campo, eventualmente o próprio campo pode vibrar de forma a processá-las, mas não se pode contar com isso. A corrente espiritual com a qual o grupo entrará em sintonia faz toda a diferença.  

            Daí a importância de se ter atenção na escolha do terreno em que vai pisar. Tantra é uma energia muito potente e intensa e precisa ser mobilizada adequadamente pra que realmente se manifeste como instrumento de expansão da consciência e também pra que seja mobilizada em benefício de todos os seres.

            Pra finalizar, ressalto que as vivências em grupo são poderosas e importantes, mas obviamente não eliminam a necessidade do eficiente trabalho diário sobre si mesmo. Cada um(a) é responsável por sua própria vibração de consciência.


            Meditemos! _/\_

http://alexgrey.com/

2 comentários:

  1. Querida Álika,

    Acabei de ler seu blog interessante. Motivação Tantra. Seu trabalho sucesso!

    Beijo

    Fernanda Machado

    ResponderExcluir